Águas de Santa Bárbara (MG)

  • 48 horas no Sertão de Guimarães Rosa - Relax garantido! 48 horas no Sertão de Guimarães Rosa - Relax garantido!
    Enviada por Bruno Albergaria
  • 48 horas no Sertão de Guimarães Rosa - Bucolismo é marca registrada da vila 48 horas no Sertão de Guimarães Rosa - Bucolismo é marca registrada da vila
    Enviada por Bruno Albergaria
  • Procissão - Festa da padroeira envolve nativos de todas as idades Procissão - Festa da padroeira envolve nativos de todas as idades
    Enviada por Bruno Albergaria
  • 48 horas no Sertão de Guimarães Rosa - Escorrega natural é garantia de aventura 48 horas no Sertão de Guimarães Rosa - Escorrega natural é garantia de aventura
    Enviada por Bruno Albergaria
  • Antiga fábrica - No interior, rusticidade e cultura Antiga fábrica - No interior, rusticidade e cultura
    Enviada por Bruno Albergaria
  • Vila de Santa Bárbara - Ruas de terra e casinhas coloridas formam cenário encantador Vila de Santa Bárbara - Ruas de terra e casinhas coloridas formam cenário encantador
    Enviada por Bruno Albergaria
  • 48 horas no Sertão de Guimarães Rosa - No Bistrô do Lago, releituras de delícias típicas mineiras 48 horas no Sertão de Guimarães Rosa - No Bistrô do Lago, releituras de delícias típicas mineiras
    Enviada por Márcia Gazzolla

Porque Ir

Ao chegar à vila de Santa Bárbara, no município de Augusto de Lima, no norte de Minas, há uma cancela bem no meio da rua que a separa do mundo exterior quase como os portões de um reino mágico. Logo ali a frente um enorme gramado com algumas árvores e bancos fronteiam casinhas rústicas. As bicicletas, principal meio de transporte dos moradores, ficam paradas do lado de fora dos portões. O ritmo acelerado de quem veio pela estrada se ameniza, contagiado pela tranquilidade que paira no ar. E quem sabe a prosa começa com um dos comunicativos habitantes do local?

Cachoeira do Telésforo deságua num rio largo cercado por praia de areia branca e fina
Do outro lado da rua, a pequenina igreja do vilarejo e, mais a frente, as ruínas da antiga fábrica de tecidos do final do século 19. Restaurada, sua estrutura ainda preserva os tijolos visíveis e vãos de janelas disformes a mostrar a vegetação que a cerca, dando uma aparência toda peculiar à construção. 

No interior, o antigo maquinário foi transformado em mobiliário e os estofados coloridos, bem como as luminárias, dão o arremate a um cenário “cinematográfico”.

Nesse grande espaço acontecem shows, festas, feiras, oportunidades perfeitas para se integrar com os nativos. Mas não se preocupe em esforçar-se tanto pra isso, o entrosamento vem fácil. Guarde os esforços para chegar à belíssima cachoeira de Santa Bárbara com seu desnível de 180 metros – um tobogã natural que garante a diversão - e curtir intensamente o dia.

A vila, que se desenvolveu a partir da fábrica de tecidos - que utilizava, já no final do século 19, energia hidrelétrica – tem as origens ligadas às suas águas termais que faziam com que os tropeiros, vindos da Bahia e norte de Minas em direção a Diamantina na busca de pedras preciosas, encontrassem ali um pouso perfeito. Hoje o turismo movimenta a economia do local, que tem extensa programação cultural, como eventos gastronômicos, de música, esportes e artes.

Como todo interior mineiro, a vila tem a festa de sua padroeira, que acontece em dezembro com alvorada, procissão, leilão, cavalgada, folia de reis e comida típica. Um bom momento para conhecer Santa Bárbara.

Os interessados em aprender mais sobre sustentabilidade podem visitar a ETE (Estação de Tratamento de Efluentes) acompanhados de um guia que lhes explicará sobre todo o processo de tratamento do efluente residencial e industrial da vila. Com sorte, podem se deparar com os novos habitantes locais, uma família de jacarés. Para se aprofundar na história, é possível visitar a Companhia de Santa Bárbara, segunda indústria têxtil de Minas Gerais e uma das mais antigas do mundo em funcionamento. 

Na vila, há várias opções de caminhada: à Prainha da Usina, uma pequena barragem no Riacho D’areia; por trilhas ecológicas no leito do rio; à usina hidrelétrica com toda a explicação do processo de geração de energia que abastece o hotel e a fábrica; às barragens ou à parte alta da cachoeira para contemplação do por do sol e banho nas piscinas naturais. O visitante pode também, percorrendo uma trilha mais longa e rústica, visitar a APA (Área de Preservação Ambiental), Parque Nacional da Sempre Viva.

No entorno da vila, outras cachoeiras chamam a atenção, como a Cachoeira do Telésforo, situada a cerca de 27 km da vila que deságua num rio largo cercado por uma enorme praia de areia branca e fina e a Cachoeira da Fenda que se situa num cânion com imensos paredões e uma inusitada pedra suspensa que fica presa entre eles formando um portal que o turista atravessa nadando para chegar à queda d´água. Ainda nas redondezas, grutas com pinturas rupestres, cachaçarias tradicionais e outros vilarejos como Teixeiras e Arraial de Curimatai.

Se a preguiça convida ao “dolce far niente”, siga para o Resort Águas de Santa Bárbara - que tem a opção “day-use” com almoço incluído - e aproveite a deliciosa piscina ou suas cristalinas águas termais. Já na Pousada Sombra do Espinhaço, o restaurante aberto ao público serve comida típica em mesinhas de madeira sob as árvores. Nos porões da antiga fábrica, a boate Don Ratão anima as noites de sábado.

Por Bruno Albergaria

Diário de Viagem

48 horas no Sertão de Guimarães Rosa

48 horas no Sertão de Guimarães Rosa
Águas de Santa Bárbara (MG) é o ponto de partida - por Alice Rocha

Copyright 2000-2017 Férias Brasil© Todos os direitos reservados.