Pedras da Gávea & Bonita - Rio de Janeiro (RJ)

Mistura de mirante e cartão-postal, a Pedra da Gávea descortina uma das paisagens mais espetaculares da Cidade Maravilhosa, com vista para outros cartões-postais como Corcovado, Lagoa e praias de São Conrado, Ipanema, Leblon e Barra da Tijuca. Mas para chegar lá - a pedra fica a 800 metros acima do mar - é preciso uma dose de fôlego, coragem e preparo físico. Encravada no Parque Nacional da Floresta da Tijuca, exige cerca de quatro horas de subida, com direito a uma escalada em rocha (o trecho é chamado de Carrasqueira), que pede equipamentos de segurança. Para os iniciantes, a dica é a Pedra Bonita, acessível depois de 40 minutos de caminhada. O nível de dificuldade é leve, o percurso é curto e a subida é simples. De lá, aprecia-se a Pedra da Gávea e as praias da Zona Sul e da Barra. Estique até a rampa de voo livre para acompanhar os saltos!

Pão de Açúcar, Corcovado & Dois Irmãos - Rio de Janeiro (RJ)

Ícones da Cidade Maravilhosa, o Pão de Açúcar e o Corcovado enchem os olhos de turistas e moradores. Avistado de vários pontos da capital, o Corcovado permite apreciar o Rio de Janeiro em 360 graus. O acesso é por trem ou carro, mas tem gente que faz boa parte do percurso a pé, partindo de uma trilha puxada no Jardim Botânico. Já o Pão de Açúcar, apreciado em sua totalidade em determinados pontos do Centro, da Urca e das praia de Botafogo e Flamengo, tem acesso por bondinho - porém, pode ser também explorado em escaladas. Para os inexperientes, a dica é subir somente a - primeira parte - (Morro da Urca), seguindo por uma trilha leve na pista Cláudio Coutinho (Urca). No Leblon, o Morro Dois Irmãos funciona como uma moldura perfeita para as fotos do pôr do sol! A formação não pode ser explorada, mas um parque próximo à base (Parque do Penhasco Dois Irmãos) exibe toda a belezas das orlas de Ipanema e Leblon, além da Lagoa e Jardim Botânico.

Pedra Furada - Jericoacora (CE)

Uma caminhada leve, de cerca de uma hora, leva à Pedra Furada, uma das marcas de Jeri. O visual é perfeito em qualquer época do ano, porém, ganha encanto adicional entre meados de julho até o meio de agosto. No período, o sol se põe no mar, tornando a pedra sua moldura natural. Vá pela manhã, quando a maré baixa permite chegar ao monumento natural pela praia. À tarde, com o mar alto, é preciso passar pela trilha do Morro do Serrote, mais cansativa. Não é permitido subir ou escalar a Pedra Furada. Já fotografar... pode e deve!

Morros do Pico & Dois Irmãos - Fernando de Noronha (PE)

Os dois cartões-postais de Noronha não são mirantes e nem podem ser explorados, escalados... servem, - simplesmente -, para emoldurar as fotos do destino, um dos mais bonitos do país, graças também às citadas formações de pedra! Para fazer lindas fotos tendo o Dois Irmãos como pano de fundo, siga para as estonteantes praias da Baía dos Porcos e da Cacimba do Padre. Já para emoldurar as imagens com o Morro do Pico, o caminho é o das praias do Cachorro e do Meio.

Morrão & Pai Inácio - Chapada Diamantina (BA)

Num cenário onde as formações rochosas imperam, selecionamos os campeões de fotogenia: Pai Inácio e Morrão. O primeiro ganha o turista pela facilidade de acesso. São cerca de trinta minutos de subida (1.120 metros) e o visual é deslumbrante antes mesmo de se chegar ao topo! Vá em horário próximo ao por do sol, quando o céu ganha uma mistura de cores impossível de narrar. Já o segundo é pouco explorado apesar da linda vista - são quatro horas entre subida e descida - e acompanha boa parte da caminhada entre o Vale do Capão e a cachoeira de Águas Claras. O Morrão é, na verdade, um - sinalizador - para os trekkers. Quanto mais perto da pedra, mais próximo se está da queda d´água!

Pedra do Baú - Campos Jordão & São Bento do Sapucaí (SP)

Essa é uma das preferidas dos esportistas e também dos apreciadores da natureza: pode ser escalada, "rapelada", alcançada por caminhada puxada ou tranquila ou somente observada - com os pés no chão ou a bordo de parapentes! A pedra é, na verdade, um - complexo -, reunindo a Pedra do Baú propriamente dita, e outras duas: Bauzinho e Ana Chata. O Bauzinho, alcançado em 10 minutos de caminhada, é pedida para quem está com crianças, enquanto a Ana Chata exige uma hora de trilha e oferece um belo visual. Já para alcançar a mais famosa, a 1.950 metros de altura, é preciso mais esforço e coragem: uma hora de andança e outra só de subida, totalizando cerca de quatro horas para ir e voltar. A subida tradicional é feita pela Via Ferrata, uma escada de ferro cravada na rocha de 200 metros. O uso de equipamento de segurança é recomendável, assim como um guia para os iniciantes. Uma vez lá em cima, a vista é a recompensa!

Pedra Azul - Domingos Martins (ES)

Protegida dentro do parque estadual que leva seu nome, a Pedra Azul é mais que um cartão-postal. É a moldura para cachoeiras, piscinas naturais e mirantes acessíveis por trilhas em meio à mata Atlântica e desbravadas em caminhadas ou cavalgadas. O nome da formação rochosa de quase dois mil metros de altura se deve à coloração, que varia ao longo do dia, de acordo com a incidência da luz solar. As visitas à área são feitas somente com o acompanhamento de guias e é preciso agendar com antecedência. Não é permitido escalar a Pedra Azul.

Pedra Grande - Atibaia (SP)

A 1.450 metros de altitude, a Pedra Grande ganhou fama com os praticantes do voo livre - asas-deltas e parapentes e colorem o céu da região. Além dos profissionais, os inexperientes também podem - voar - : há várias escolas de voo livre na cidade. Os arredores da formação, porém, também atraem adeptos de outros esportes por conta das trilhas em meio à mata Atlântica, caso da turma do bicicross e do off-road. Caso você não se encaixe em nenhum perfil acima, vá de carro: lá do alto, o pôr do sol fica ainda mais bonito!

Cão Sentado - Nova Friburgo (RJ)

A pedra, a 1.100 metros de altitude, tem a base acessível depois de uma caminhada de cerca de um quilômetro em meio a grutas, cavernas e riquíssimos exemplares da flora e da fauna local. Lá em cima, o mirante natural a 750 metros de altura descortina boa parte da cidade. Na ida ou na volta, faça uma parada para apreciar a cachoeira Véu da Noiva, com 70 metros de queda. Não é permitido escalar a pedra.

Cidade de Pedra - Chapada dos Guimarães (MT)

O sítio arqueológico abriga formações curiosas que surgem ao longo da caminhada de oito quilômetros em meio a trilhas. Entre elas estão a Pedra do Jacaré, Altar de Pedra, Mesa de Sacrifícios, Casa de Pedra, Totem, Pedra Furada e Cogumelo de Pedra. De lá, avista-se mais pedras: o Morro São Gerônimo, o maior mirante do parque nacional da Chapada dos Guimarães.

+ Especiais do Brasil
+ Ideias de Viagens
Copyright 2000-2017 Férias Brasil© Todos os direitos reservados.